Filme de The Last of Us foi cancelado porque executivos queriam que ele fosse “mais sexy”

Antes de The Last of Us chegar nas mãos da HBO, foi um longo caminho para Neil Druckmann encontrar alguém que fosse fazer uma adaptação que fizesse jus à proposta do game.

Em 2014, a ideia que surgiu foi um filme baseado na jornada de Joel e Ellie, e os direitos de produção foram adquiridos pela Screen Gems, subsidiária da Sony e conhecida pelos filmes de Resident Evil, protagonizados por Milla Jovovich. Em entrevista ao The New Yorker, Druckmann se referiu a Screen Gems como voltada a fazer “um tipo específico de filme”.

Os filmes de Resident Evil, apesar das duras críticas dos fãs, por ter pouquíssima fidelidade com os jogos, foram muito bem-sucedidos nas bilheterias mundiais. Mas só ser um sucesso não bastava para Druckmann, ele queria algo com profundidade.

Divergência criativa

Quem iria dirigir os filmes seria Sam Raimi (trilogia Homem-Aranha estrelados por Tobey Maguire), e Druckmann o respeitava, porém, o que incomodava ele, eram executivos da produtora, que segundo o The New Yorker, Druckmann disse desconfiar deles por constantemente pedirem que as coisas fossem maiores e “mais sexy”.

O objetivo, para ele, era algo mais para o estilo do filme “Onde os Fracos Não Têm Vez”, mas eles queriam algo que fosse muito grandioso, mais para o estilo “Guerra Mundial Z”. Nessa época, Druckmann começou a pensar que não seria possível condensar a história de 15 horas de The Last of Us, em um filme de duas horas.

Chegando até a HBO

De acordo também com a matéria citada acima, após anos e anos que se passaram com o desenvolvimento do filme, a Screen Gems renunciou os direitos de produção do longa. Foi então que Carter Swan, executivo responsável pela expansão da IP na PlayStation, disse para Druckmann que iria encontrar um parceiro ideal para ele. Druckmann disse que não conseguia enxergar mais The Last of Us como um filme, então Swan disse para ele, que o roteirista Craig Mazin, havia pensado o mesmo. Druckmann se surpreendeu e disse “espere”, “o cara de ‘Chernobyl’? Por que não posso me encontrar com ele?”

Mazin foi criador da famosa série Chernobyl da HBO, que trazia o relato dos acontecimentos do desastre nuclear em 1986, a série foi ao ar em 2019 e foi super elogiado pela crítica e espectadores. Mazin era um grande fã de The Last of Us desde o lançamento e já havia tentado entrar em contato com Druckmann, mas ele foi ignorado, pois o criador de The Last of Us, não o conhecia.

Após passarem horas conversando, os dois concluíram que The Last of Us nunca seria bem-sucedido como um filme, mas sim, poderia ser como uma adaptação para a TV, veio assim uma grande parceria que possibilitou levar uma das histórias mais impactantes dos games, para a HBO.

A série de The Last of Us estreia no dia 15 de janeiro na HBO e HBO Max.

Neil Druckmann explica sua frase sobre “jogo com estrutura de série de TV”

Sony revela jogos do PS Plus Essential para janeiro de 2023