Algumas pessoas não gostaram de episódio de The Last of Us “porque é gay”, diz showrunner

Reprodução: HBO

O terceiro episódio da primeira temporada de The Last of Us da HBO foi amplamente elogiado pela crítica, mas também recebeu duras críticas na internet, e em entrevista, o showrunner da série, Craig Mazin, refletiu sobre onda de comentários negativos em torno da história de Bill e Frank, que expandiu os acontecimentos do game na série de TV.

Spoilers a seguir

“Algumas pessoas não gostaram do Episódio 3 porque, você sabe, é ‘coisa de gay'. E então eles tentam retroativamente encontrar uma razão”, disse o co-criador ao TheWire. “[Mas] uma das reclamações que vi foi: ‘ Ah, é apenas um episódio filler. Isso não avança a história.' E eu pensei, ‘Acho que esse episódio avança a história mais do que qualquer outro episódio que temos’ – porque não é o enredo, é o personagem. É a carta que Bill deixa para Joel que alimenta o resto do show.

Photograph by Liane Hentscher/HBO

“Depois de tudo isso, o conselho de Bill para Joel é: ‘Ótimo, mas você e eu estamos aqui para assassinar qualquer um que se aproxime de nosso Frank. É por isso que estamos aqui. Estamos aqui para protegê-los'”, continua Mazin sobre a carta. “E isso é romântico. Você poderia argumentar que é completamente necessário. Também é ruim. É isso que me fascina neste mundo. Isso é o que me fascina nos temas que estavam presentes no jogo. E foi nisso que pensei e penso o tempo todo enquanto contemplamos nossa próxima temporada. Não creio que tenhamos que inventar novos temas. Acho que há muito a ser explorado aí.”

As maneiras como o amor ressurge ao longo da primeira temporada exigem que o público reavalie as crenças predominantes

“Na medida em que pode começar a parecer iterativo, tudo o que posso dizer é que esse é o problema – o amor é o problema”, segue. “É o problema agora. É o problema de todos nós. E não gostamos de pensar dessa forma, mas é. As probabilidades são de que todos nós faremos algo belo, sacrificial e admirável por causa do amor. E também, todos nós vamos fazer algo terrível por causa do amor, algo destrutivo, violento ou cruel. Porque inventamos uma palavra para uma parte de nós sobre a qual não temos controle.”

Episódios 3 e 5 funcionam em conjunto. Enquanto um episódio homenageia as virtudes clássicas do amor, o outro examina suas impurezas

“Muito do que trata esta história é apenas abordar a romantização do amor de frente e explorar onde ele pode dar certo e onde pode dar errado”, disse Mazin. “Mas o fato é: o amor em si é imoral. É imoral porque não segue regras. Não é por isso que o amor existe. Não tem nada a ver com regras. Não vive na parte do nosso cérebro que cria regras.”

Episódio final

“Joel não faz escolha. Se ele pensa que fez uma escolha, isso é uma ilusão. Algo mais dentro dele, que é mais antigo que o neocórtex, entra em ação. Todo mundo que assiste a essa [cena] e depois debate está fazendo exatamente a mesma coisa. Eles têm uma experiência que é límbica, e então as palavras vêm para tentar entendê-la, debatê-la, argumentar, justificá-la ou condená-la – tudo isso é ótimo. Mas para mim é uma condição. Está fora dos limites da discussão moral.”

The Last of Us recebeu 24 indicações ao Emmy, incluindo Melhor Roteiro e Direção pelo episódio 3, bem como Melhor Série Dramática

Showrunner não descarta spin-offs da série

Produtor executivo falou também dos próximos passos da adaptação, sugerindo que já podem ter escalado atriz para interpretar Abby e que série pode ter no máximo 5 temporadas

Fonte:

Com cerca de 130 pessoas, Alan Wake 2 levou 4 anos para ser feito

Ed Boon não tem certeza sobre configuração “sem gore” em Mortal Kombat 1